A morte violenta “excêntrica” ​​de uma estrela massiva deixou os cientistas intrigados.

Em um novo estudo, uma equipe internacional de pesquisadores usou imagens do Telescópio Espacial Hubble para documentar a morte de uma estrela gigante a 35 milhões de anos-luz da Terra.

Essas imagens do Hubble mostraram algo estranho: a estrela amarela e fria não tinha hidrogênio em sua camada externa.

Esta visualização artística mostra uma estrela azul removendo o hidrogênio de uma estrela supergigante amarela.
Esta visualização artística mostra uma estrela azul removendo o hidrogênio de uma estrela supergigante amarela. (Crédito da imagem: Kavli IPMU / Aya Tsuboi)

 

“Não vimos esse cenário antes”, disse o principal autor do estudo, Charles Kilpatrick, pesquisador de pós-doutorado na Northwestern University em Illinois, em um comunicado.

“Se uma estrela explodir sem hidrogênio, ela deve ser extremamente azul – muito, muito quente”, explicou Kilpatrick. “É quase impossível para uma estrela ser tão legal sem ter hidrogênio em sua camada externa. Nós olhamos cada modelo estelar que poderia explicar uma estrela como esta, e cada modelo requer que a estrela tivesse hidrogênio, que, de sua supernova , sabemos que não. Isso amplia o que é fisicamente possível.”

O Telescópio Espacial Hubble detectou o local da supernova 2019yvr dois anos e meio antes de a estrela explodir.
O Telescópio Espacial Hubble detectou o local da supernova 2019yvr dois anos e meio antes de a estrela explodir. (Crédito da imagem: Charles Kilpatrick / Northwestern University)

 

Nas imagens do Hubble, os pesquisadores observaram a estrela dois anos e meio antes de morrer em uma explosão de supernova e durante aquele evento dramático. Eles testemunharam o que descrevem como uma “supernova sem hidrogênio muito normal”, disse Kilpatrick. No entanto, “a estrela progenitora não correspondeu ao que sabemos sobre este tipo de supernova”, acrescentou.

No estudo, os pesquisadores sugerem que, possivelmente, nos anos que antecederam a morte da estrela, ela poderia ter perdido sua camada de hidrogênio de várias maneiras diferentes. Por exemplo, a estrela pode ter derramado a camada ou, potencialmente, o hidrogênio pode ter sido retirado por uma companheira estelar próxima. No entanto, ao observar a estrela, eles notaram que, depois que a supernova ocorreu, o material arremessado da estrela na explosão colidiu com grandes quantidades de hidrogênio.

PROPAGANDA

Isso apoiou a ideia de que a estrela se desfez de seu manto de hidrogênio anos antes de sua morte.

“Os astrônomos suspeitam que as estrelas sofrem erupções violentas ou estertores mortais nos anos antes de vermos as supernovas”, disse Kilpatrick. “A descoberta desta estrela fornece algumas das evidências mais diretas já encontradas de que as estrelas passam por erupções catastróficas, que fazem com que percam massa antes de uma explosão. Se a estrela estava tendo essas erupções, então provavelmente ela expulsou seu hidrogênio várias décadas antes de explodir.”

Ainda assim, os pesquisadores não estão descartando completamente a possibilidade de que uma estrela próxima tenha retirado o hidrogênio dessa estrela. Para encontrar essa estrela companheira, os pesquisadores terão que esperar até que a supernova desapareça, já que seu brilho está obscurecendo a visão. Esse desbotamento pode levar até 10 anos, de acordo com o comunicado.

Com essas hipóteses em mente, a equipe aponta para esta supernova, conhecida como 2019yvr, como um excelente exemplo de quão estranhas e misteriosas as explosões estelares podem ser.

“O que estrelas massivas fazem antes de explodirem é um grande mistério não resolvido”, disse Kilpatrick no mesmo comunicado. E essa estrela era especialmente misteriosa.

“Ao contrário de seu comportamento normal logo após a explosão, a interação do hidrogênio revelou que é uma espécie de supernova esquisita”, disse Kilpatrick. “Mas é excepcional que tenhamos conseguido encontrar sua estrela progenitora nos dados do Hubble. Em quatro ou cinco anos, acho que seremos capazes de aprender mais sobre o que aconteceu.”

Este trabalho foi descrito em um estudo publicado em 5 de maio na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

PROPAGANDA

Por Felype Oliveira

Felype Oliveira é criador do Café com Net, além de administrar a revista digital, também atua como social media, web designer e roteirista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *