Um estudo recente afirma ter encontrado evidências de formas de vida semelhantes a cogumelos na superfície de Marte. Acontece que essas características particulares são bem conhecidas e foram descobertas por câmeras a bordo do Mars Exploration Rover Opportunity, da NASA, logo após sua aterrisagem em 2004.


PUBLICIDADE

Eles não são, de fato, organismos vivos, mas “concreções hematita” – pequenos pedaços em forma de esfera do mineral hematita, e sua origem exata ainda é muito debatida pelos cientistas. A hematita é um composto de ferro e oxigênio e é comercialmente importante na Terra. As rochas esféricas em Marte podem ter sido criadas pelo acúmulo gradual do material em ambientes de água líquida de evaporação lenta. Eles também podem ter sido produzidos por atividade vulcânica.

De toda maneira, eles não são cogumelos. A área ao redor do local de pouso do Opportunity está repleta deles – eles podem ser vistos por toda a superfície e também foram encontrados enterrados sob o solo e até mesmo embutidos em rochas.

Vermes fossilizados

Esses “cogumelos” espaciais não foram a primeira reivindicação de vida alienígena. Em 7 de agosto de 1996, o então presidente norte-americano Bill Clinton estava no gramado da Casa Branca e anunciou  a possibilidade de os cientistas terem descoberto os restos fossilizados de microorganismos em um meteorito que foi recuperado da Antártica em 1984.

O meteorito, ALH 84001, é uma das poucas rochas que temos de Marte. Eles foram lançados para fora da superfície do planeta por erupções vulcânicas ou impactos de meteoritos, que se espalharam pelo espaço provavelmente por milhões de anos, antes de terminar na Terra.

 

Imagem do microscópio eletrônico de varredura de alta resolução das estruturas. (Crédito da imagem: NASA)

As minúsculas estruturas descobertas, usando microscópios poderosos, se assemelham a organismos microscópicos semelhantes a vermes e provavelmente têm bilhões de anos de idade. O debate sobre as verdadeiras origens dessas estruturas continua até hoje – muitos cientistas apontam que processos inorgânicos bem conhecidos são perfeitamente capazes de produzir estruturas que se assemelham a organismos vivos. Em outras palavras, simplesmente porque algo pode se parecer um pouco com a vida (cogumelos ou não), isso não significa que seja.

Gases misteriosos

Na década de 1970, as sondas robóticas Viking da NASA realizaram uma série de experimentos projetados para testar o solo marciano quanto à presença de microorganismos.

Os experimentos trataram quimicamente pequenas amostras de solo marciano em câmaras de reação a bordo das sondas. Em um deles, nutrientes contendo carbono-14 radioativo foram adicionados às amostras de solo. Em teoria, isso deveria ser absorvido por quaisquer micróbios em crescimento e multiplicação. O carbono-14 seria então cada vez mais “expelido” ao longo do tempo, mostrando um aumento constante na concentração dentro da câmara de reação.

Após as análises químicas, cada amostra de solo foi continuamente aquecida a centenas de graus para destruir quaisquer micróbios, com a intenção de ver se essas reações no solo cessavam. Curiosamente, este experimento em particular mostrou um aumento constante no carbono-14 ao longo do tempo, que foi de fato encerrado após o aquecimento acima do ponto de ebulição da água. Várias reações químicas inorgânicas foram propostas como explicação. Esses resultados, portanto, permanecem inconclusivos e ainda são  debatidos hoje .

PROPAGANDA

Mais recentemente, quantidades mínimas de metano foram encontradas na atmosfera marciana. Isso também é intrigante, já que organismos vivos na Terra são conhecidos por liberar metano. Mais uma vez, porém, deve-se enfatizar que esta não é uma prova conclusiva de vida. O metano também pode ser produzido por vários processos inorgânicos, incluindo por rochas aquecidas.

Uau!

Em 1977, o radiotelescópio Big Ear nos Estados Unidos detectou um sinal de rádio incomum durante a varredura do céu. O sinal durou apenas alguns minutos, foi muito potente e foi detectado em uma faixa estreita de frequências. Esses fatores tornam muito difícil imaginar uma causa natural, já que a maioria das fontes naturais de rádio pode ser detectada em uma ampla faixa de frequências.

O sinal exato não foi detectado novamente desde então, apesar das pesquisas frequentes de rádio na mesma parte do céu. O sinal era tão notável na época que o astrônomo de plantão, Jerry Ehman, circulou a impressão do sinal com caneta vermelha e escreveu “Uau!”.

Várias explicações foram propostas ao longo dos anos, incluindo, recentemente, que o sinal foi gerado por um cometa que passava , ou transmissões de um satélite em órbita terrestre. A origem exata do sinal Wow! ainda não é totalmente acordado hoje e permanece um mistério intrigante.

Estrela do gato malhado

Uma ferramenta chave da caça a planetas é o método de escurecimento – observar a luz de uma estrela para ver se ela cai periodicamente de forma regular quando um planeta em órbita passa na frente dela. Em 2015, astrônomos profissionais trabalhando com cientistas cidadãos do projeto Planet Hunters anunciaram a descoberta de uma estrela próxima exibindo um escurecimento invulgarmente forte e consistente ao longo do tempo.

PUBLICIDADE

Tabby’s Star foi batizado em homenagem à astrônoma Tabitha Boyajian, que foi a autora principal do artigo que anunciou a descoberta. Dados do Telescópio Espacial Kepler  mostraram não apenas um escurecimento regular, como se poderia esperar de uma órbita planetária, mas diminuições altamente irregulares na luz e, curiosamente, uma diminuição consistente na emissão de luz ao longo de vários anos.

Este comportamento altamente incomum levou a várias teorias para explicar as observações, incluindo poeira cometária ou detritos de um impacto massivo que gradualmente se espalhou para cobrir a face da estrela. Alguns também especularam que essas eram assinaturas de uma espécie alienígena avançada construindo uma estrutura ao redor da estrela. Mas outras observações não encontraram evidências que corroborem essa possibilidade. Por exemplo, os radiotelescópios não conseguiram detectar qualquer emissão incomum de rádio da estrela. Hoje, os cientistas por trás da descoberta acreditam que as quedas incomuns de luz são causadas por nuvens de poeira cósmica que  passam pela face da estrela .

Por mais emocionantes que sejam, é importante tratar as alegações de vida alienígena com uma dose saudável de ceticismo, e é isso que os cientistas fazem. Nenhuma evidência conclusiva de que existe vida extraterrestre foi encontrada… ainda!

PROPAGANDA

Por Felype Oliveira

Felype Oliveira é criador do Café com Net, além de administrar a revista digital, também atua como social media, web designer e roteirista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *