Na maioria das vezes, as buscas para morar e estudar fora do país são para a América do Norte, como os Estados Unidos e Canadá, porém o custo de vida nesses lugares tendem a ser muito altos.

Existem vários países (principalmente na Europa) que oferecem bolsa de estudos para brasileiros estudarem de graça, ou pelo menos por um preço bem em conta. As bolsas para graduação e mestrado são mais comuns, mas também existem boas opções de doutorado para pesquisadores.

Neste artigo, vamos listar 5 países europeus para fazer intercâmbio de graça, com um custo de vida mais acessível. Vamos lá!

1. Alemanha

Desde outubro de 2014, todas as universidades alemãs não cobram tuition fees de nenhum aluno, incluindo estudantes estrangeiros, tanto para cursos de graduação quanto programas de mestrado integrados.

Em algumas das universidades federais, é cobrado uma contribuição semestral e/ou taxas administrativas (até no máximo 50 euros). É possível que essa política sofra mudanças no futuro, por agora, você pode ficar de olho nessa página oficial do Governo alemão que oferece informações para estudantes estrangeiros, nela irá saber quais instituições cobram quais taxas.

Os cursos de mestrado via de regra são cobrados na Alemanha. No entanto, eles acabam saindo mais baratos do que em outros países europeus. Já os programas de PhD na Alemanha costumam ser gratuitos. Em alguns casos, os alunos pagam apenas a partir do 2º semestre, mas mesmo nesses casos paga-se uma contribuição de 150 a 200 euros por semestre. O mais comum de acontecer, é que os alunos do PhD trabalhem em algum projeto de pesquisa ganhando salário, ou ganhe bolsa integral para estudar.

Além dos estudos, também há as despesas com o custo de vida – os estudantes na Alemanha gastam aproximadamente 850 euros/mês com alimentação, transporte, acomodação, internet e outras despesas. No geral, o governo alemão exige 8.500 euros para um ano de quem quer estudar no país. O governo alemão também autoriza os universitários brasileiros a trabalhar 120 dias por ano em tempo integral, ou 240 dias por meio período.

PUBLICIDADE

2. Reino Unido

Para quem tem vontade de estudar na Inglaterra ou Escócia, há várias opções de bolsas através do projeto Chevening, patrocinado pelo governo britânico e que oferece oportunidades de 1 ano de mestrado em qualquer linha de pesquisa. O que dará oportunidade de se dedicar inteiramente aos estudos, desenvolver-se academicamente e profissionalmente, experimentar a cultura britânica e ampliar sua rede de amizades e quem sabe para negócios.

No momento as inscrições estão fechadas, porém existe previsão de reabertura a partir de julho.

O que a bolsa Chevening cobre?

  • Taxas da Universidade
  • Bolsa mensal
  • O custo de ida e volta para o Reino Unido
  • Subsídio de chegada no país e volta para o Brasil
  • Custos para retirada do visto
  • Subsídio de viagens para atender eventos do Chevening

Para conseguir a vaga é necessário:

  1. ser cidadão brasileiro e retornar ao brsail por no mínimo 2 anos após a bolsa;
  2. terminar os estudos em uma universidade brasileira e ter no mínimo 2 anos de experiência de trabalho;
  3. também é necessário aplicar 3 cursos no Reino Unido e receber um convite da universidade;
  4. obter certificado de proficiência no inglês.

As cidades para se estudar com essa bolsa no Reino Unido estão nas seguintes cidades: Londres, Oxford, Cambridge, Bristol, Bath, Cardiff, Glasgow, Bournemouth e outras.

PROPAGANDA

 

3. Áustria

De acordo com o Study in Austria, as universidades públicas ou federais da Áustria cobram cerca de 726 euros por semestre de tuition fees aos alunos estrangeiros. Também há uma taxa de 20,20 euros referente à participação na união de estudantes do país, e a um seguro contra acidentes para estudantes.

Mesmo nesses casos, também há a possibilidade de solicitar isenção ou reembolso para essas taxas. Tais oportunidades existem para participantes de determinados programas de intercâmbio, para membros de universidades parceiras ou para cidadãos de países em desenvolvimento (categoria na qual o Brasil é frequentemente incluído). No entanto, é preciso ficar de olho nessas oportunidades de modo individual, em cada universidade e para cada curso.

Fora isso, também há ofertas de bolsas de estudo no país. Alguma dessas oportunidades podem ser vistas nesta lista. Algumas delas cobrem, além de custos de estudos, os custos de vida no país, que ficam por volta de 950 euros ao mês.

4. Estudar de graça (ou quase) na Finlândia

A Finlândia é uma das nações com melhor qualidade de ensino e de vida do mundo. E segundo o site Study in Finland, alunos de cursos de PhD não pagam tuition fees. O mais comum é que eles recebam salário ou bolsas de estudo enquanto atuam como pesquisadores.

No entanto, para cursos de mestrado e graduação, tanto as instituições públicas quanto as privadas cobram tuition fees desde o segundo semestre de 2017. Em alguns casos, é possível ficar isento dessas taxas também. Esta página mostra alguns casos possíveis para obter a isenção.

E, mesmo que você precise pagar, há também oportunidades de bolsa para as instituições do país. Elas precisam ser verificadas em cada universidade, e para cada curso. Uma lista das universidades finlandesas pode ser vista aqui.

PUBLICIDADE

Além disso, o aluno precisará arcar com seus gastos pessoais. Segundo o site, esses gastos variam entre 700 e 1000 euros/mês. Mas o país permite que universitários não europeus trabalhem 25 horas por semana durante o período letivo, o que pode ajudar. O site da embaixada da Finlândia no Brasil oferece também várias informações em português para quem pretende ir estudar lá.

 

5. França

A Instituição responsável pelo intercâmbio acadêmico na França se chama Campus France. Lá você vai encontrar diversas informações sobre bolsas específicas e novidades.

E aqui está a lista dos programas de bolsas na França oferecidas anualmente. O site está todo em Francês, então se você mudar a língua para o inglês, não irá aparecer as oportunidades. Nossa sugestão é digitar ‘Brésil’ no campo de busca para ver os programas destinados a brasileiros.

 

Uma das bolsas mais conhecidas é a Bolsa Victor Hugo criada pela Universidade de Franche-Comté com apoio financeiro da cidade de Besançon e da região de Franche-Comté. Destinada a estudantes de mestrado e doutorado por um ano de estudo em diversas áreas como agricultura, arquitetura, design, biologia, química, matemática, ciências econômicas entre outros. A bolsa é equivalente a 7 mil euros destinada diretamente às administrações da universidade (curso, aluguel, refeições).

A bolsa Victor Hugo cobre:

  • Acomodações
  • Refeições
  • Taxas da universidade
  • Curso de francês caso seja necessário, 2 meses antes de iniciar os estudos

Para fazer a inscrição é necessário ser brasileiro e estar residindo no país e ter diploma de bacharelado ou mestrado (caso queira fazer doutorado). Excelência acadêmica é imprescindível, assim como uma proposta sólida de pesquisa. Lá eles exigem o nível B2 de francês para a maioria dos cursos. Também levam em em consideração critérios baseados na situação socioeconômica do candidato.

PROPAGANDA

Por Felype Oliveira

Felype Oliveira é criador do Café com Net, além de administrar a revista digital, também atua como social media, web designer e roteirista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *